quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

ARFABETIZAÇÃO & RIFORMA AGRÁRA

Cordel fruto das prosa com trabalhadores/as rurais de Feira de Santana e Região...


A maió parte dos povo daqui, moço, num tem terra não...

E quando se tem, é um cadin minúsculo

Porcauso daqueles que tem demasiado

Muito latifúndio disusado.



A gente fica se bateno

Ajudando um e ôtro

Trabaiano duro que nem tôro

Com a famía e de comodato

Com difircutagem um pouco colheno



Quando tudo seca

Num tem jeito, vamo dá dia nas terra dos dotô

Arrancar toco e fazer pasto.

“Vocês num istudô”, dizim eles.


A maiuria aqui faz a assinatura com o dedo...

Caligrafia é coisa pros nobre

Pobre sabe lá o que é isso

Povo desvalido pensa que é desenho


Nossa linguage é mais falada

Sem escrivinhamento

Palavras só no coração e lá dentro

Donde Deus pôis as primera letra rascunhada.



Mas será, meu Cristo, que um dia isso tudo muda...?

Ô meu São José, há de consiguirmo terra pro nosso prantio...?

Valei-me mestre Palo Frêre

Quem sabe há de termo no nosso roçado chuva

Pra colheita abastada

Pra colírio pra leitura.

5 comentários:

  1. Weslley... fiquei sem palavras para comentar tamanha beleza poética!

    Menino, fique com o meu silêncio, pois palavra alguma agora poderia expressar a emoção de ler essa maravilha!

    Beijo, poeta! :)

    ResponderExcluir
  2. Muito bonito!
    Espero que no "roçado" desse povo floresça a leitura! ;)

    Tenha uma ótima noite.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Amigo poeta querido, vim lhe dizer que tem um presente singelo, mas de coração, no meu blogue pra vc, tá! :)

    Beijocas

    ResponderExcluir