sexta-feira, 19 de outubro de 2018

A OCLUSÃO DO OLHAR E DE COISAS MUDAS


Não esticava o olhar para as coisas íntimas do mundo, apenas observava o óbvio, dentro do seu paletó engessado de percepções mesmas de todos os dias. Não sabia o petalar dos lírios dos campos, nem distinguir estrelas de aviões, por não observar o céu noturno. Sequer via acima de si qualquer horizonte de telhados de futuro. 
Perdia o gotejar do orvalho e as poças feitas de chuvas, chutadas por crianças e sugadas por bueiros em redemoinhos – o pêndulo entre águas leves e profundas. Olhava apenas para o espelho e para as fotos de perfil, que era o círculo de sua própria circunferência oclusa. Oblíquo, pois, no seu fixar (por limitações que pertenciam a arestas de si mesmo), não comungava com o que dançava ao redor de si: as cirandas de ventanias de coisas vivas, porém fugidias, tão quanto fecundas. Perdia o passo lento do idoso e o jogo rápido da capoeira de Moa; o sorriso belo da menina quilombola e a diversidade do arpejo (que lhe soara mudo) do artista de rua.







quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Ecopoética - Encontro com estudantes de Biologia da UEFS

No dia 9 de outubro de 2018, pela manhã, sob um pé de árvore no campus da UEFS, estivemos com alunos de biologia do 3ª semestre compartilhando as ressonâncias de minha produção artística e de produção de crítica literária sobre Literatura e Ecologia.

Lemos poemas e fizemos cantorias...




Autografamos





E ao final, fizemos um varal poético com fotopoemas de nossa autoria.






A mediação foi do Prof. Dr. Antonio Almeida.



Para ver o vídeo do varal poético:


Outros links relacionados:

Exposição Ecopoética: 
https://www.youtube.com/watch?v=4-NlvxPhh9w

Artigo - Imagens Ecológicas na Poesia de Manoel de Barros: 
https://www.yumpu.com/pt/document/view/12639619/imagens-ecologicas-na-poesia-de-manuel-de-barros

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

CAFÉ LITERÁRIO - ALINHAVOS POÉTICOS

Com momentos de Música e Poesia, ocorreu um Café Literário em uma escola estadual para alunos do EJA. Houve momentos intercalados de apresentação musical, recital poético e discussões sobre o processo criativo literário. Aconteceu ainda sorteios de livros do autor (Weslley Almeida). A organização foi do professor Gutho Oldack. 





quarta-feira, 16 de maio de 2018

PREVIDÊNCIA ANIMAL

         O Jaburu, presidente dos animais, juntamente com o Leão, seu Ministro da Fazenda, convocou a imprensa para uma coletiva a fim de informar sobre o déficit previdenciário, aparentemente existente na república animal. Falou que muito do "rombo" da previdência se deve à aposentadoria precoce das centenárias tartarugas, do expressivo salário-maternidade "dado" às coelhas, além dos inúmeros benefícios concedidos aos vira-latas, como o auxílio-exclusão. A bicharada ficou revoltada, sobretudo a galinha de granja, que trabalha em regime de escravidão, pondo 40 ovos por dez reais e tendo expectativa de vida de 8 semanas.
         O presidente Jaburu disse à população que não tinha o que temer, pois o Congresso Animal, formado por aves de rapinas, tinham pena, e não iriam curvar seus bicos diante desta grave situação. "Todos os animais (em suas questões) seriam devidamente apreciados", afirmou o seu ministro Leão.
         A discussão previdenciária, hoje, está pendente, até que se vote as eleições de outubro, que nesse pleito, tem proibida a candidatura de animais marinhos como Lula; e põe-se em dúvida outros bichos que venham da marina...
        O Jaburu pensa em pousar novamente no Planalto. Tucanos já escolheram seu candidato. Boisonaro quer tomar o poder. "Quem será o escolhido pela fauna de eleitores?" - pergunta a Esfinge. Quem não responder certo... Pode morrer.


segunda-feira, 16 de abril de 2018