sábado, 22 de agosto de 2009

CRIANTES DE RUA




Na rua
A criatividade
Anda à solta -
Alia-se à necessidade.
São os Criantes de Rua...

O chapéu,
Um saco plástico.
O jornal,
O cobertor.
A parede,
É o papelão:
Que cerca-os como muros
De uma casa imaginária.
E assim
O comum torna-se inusitado
O público
Privado.

Espaços concretos
Enfim
Transmutam-se em ilusórios.
Já que negam-lhes
Uma digna
Realidade.

3 comentários:

  1. Henrique Magalhães22 de agosto de 2009 20:55

    Salve,

    Meu ilustre amigo Weslley. Mais uma vez surpreendendo-nos e brindando-nos com o brilho de suas letras e reflexões.
    Parabéns!!

    Um fraternal abraço.

    ResponderExcluir
  2. Weslley, cultivar essa sua sensibilidade poética é um desafio e uma responsabilidade com a qual nós somos sempre enriquecidos. Parabén e continue. Marcos Monteiro

    ResponderExcluir
  3. Possivelmente, nos moradores de rua vê-se a melhor manifestação do clichê "na necessidade surge a criatividade".

    Não tem um chapéu para proteger a cabeça do sol? Usa-se um saco plástico.

    Não tem um cobertor para lutar contra o frio da noite? Recorre-se ao jornal.

    Os moradores de rua são criadores carentes, criantes-de-rua.

    Wesllye, um abraço!!!

    ResponderExcluir