quarta-feira, 22 de novembro de 2017

LIVROS QUE FALAM: BATE-PAPO LITERÁRIO E LANÇAMENTO


O Livros que falam nasceu na cidade do Porto, em Portugal, e agora vem a Feira de Santana. O projeto consiste na junção do lançamento de livros, com a presença de autoras e autores, conversas descontraídas com o público e a integração de outras artes, como a música e a pintura. A ideia é contar histórias sobre a literatura e a vida. Os diálogos serão mediados pela escritora Clarissa Macedo.
Esta edição contará com a presença de Iolanda Costa, lançando Colar de Absinto, e de Weslley Almeida, lançando Memórias Fósseis. Logo após o encontro, haverá show com a Banda Sal.

_________________

O que: lançamento de livros e bate-papo literário
Onde: Cúpula do Som (Rua Domingos Barbosa de Araujo, nº 750, Kalilândia, Feira de Santana)  
Quando: 08 de dezembro (sexta-feira), a partir das 18h30
Quanto: gratuito*
Promoção: a entrada no evento dá direito a uma bebida grátis.
*Para o show da Banda Sal, após o lançamento, às 21h, será cobrado um couvert de R$ 10,00. 

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Livro "Memórias Fósseis" à Venda no Shopping Boulevard Feira


O meu livro Memórias Fósseis já está disponível no Shopping Boulevard Feira, 
na Cappa Clara Tabacaria (que fica próximo à Lotérica da Caixa).





quarta-feira, 11 de outubro de 2017

O MENINO-PIPA


Poema para o dia das crianças

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

RASTROS PEDAÇOS (para Feira de Santana)


  Weslley Almeida


Entre mandacarus e a Senhor dos Passos
O campo do Gado e a Feirinha da Estação
Os rastros, o gibão
A toada que canta o sol posto, o rosto
De quem vive em trânsito no Portal do Sertão

Em carroças e carros importados

Nos cavalos de osso
Nos cavalos de aço

Em galopes de cotidianos

Levando e deixando
Nos contornos
Nossos tantos pedaços.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

DELÍROS FRÁSICOS DE MANOEL DE BARROS





          Manoel de Barros em sua obra nos apresenta um fraseário lírico, ou versos-máximas, ou ainda pílulas poéticas, que consistem em mínimos versos carregados de intensos sentidos.
       Vou apresentar aqui alguns desses versos que encontrei nas minhas leituras pela obra poética desse grande escritor mato-grossense (e do mundo). 





"Explicar afasta as falas da imaginação"

"Livre, livre é quem não tem rumo"

"Sou beato de ouvir a prosa dos rios"

"Significar limita a imaginação"


*



"Nos monturos do poema os urubus me farreiam"

"O poema é antes de tudo o inutensílio"

"A gente é cria de frases!"

"Nossa grandeza tem muito cisco"

"Eu sou o apogeu do chão"


*



"Desaprender oito horas por dia ensina princípios"

"Poesia é voar fora da asa"

"Ontem choveu no futuro"

"Ando muito completo de vazios"

"Um sabiá me aleluia"

"As coisas que não existem são mais bonitas"

 *





"Grilo é um ser imprestável para o silêncio"

"Quem ama exerce Deus"

"Eu queria crescer para passarinho"

"As árvores me começam"

"Só as coisas rasteiras me celestam"

"Eu queria avançar para o começo. Chegar ao criançamento das palavras."

"É no ínfimo que eu vejo exuberância"

"Tudo que não invento é falso"

"Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é a verdadeira"

"Palavra poética tem que chegar ao grau de brinquedo para ser séria"

*





"As coisas que não levam a nada têm grade importância"

"Poesia é a loucura das palavras"

"A gente é rascunho de pássaro / não acabaram de fazer..."


Espero que esse post tenha despertado em você, leitor, mais fome por poesia: gula pelos poemas de Manoel de Barros. Que esses delírios líricos acometam sua íris de beleza.